Fique por dentro de todas as novidades. Inscreva-se agora!
x
Preencha os campos abaixo e cadastre-se!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba todos
os materiais do Falando de Proteção em sua caixa de e-mail


home > Dia a Dia > Análise de Risco em 3 passos

Análise de Risco em 3 passos

Descubra quais são os três principais passos para fazer uma Análise de Risco otimizada e fortaleça a cultura da segurança em seu ambiente de trabalho de uma forma eficiente.

Otimização e processos de segurança nem sempre cabem na mesma frase. Geralmente, os procedimentos que integram o programa de Segurança do Trabalho são minuciosos e demandam total atenção dos profissionais responsáveis, afinal, estamos falando sobre a qualidade de vida e trabalho de diversos colaboradores. Mas você sabia que é possível fazer uma Análise de Risco em 3 passos? Entretanto, antes de começar os trabalhos, é importante entender o que é, de fato, esse procedimento. Segundo o INBEP, “a análise dos riscos é uma técnica ou ação que visa analisar e identificar riscos presentes nos ambientes de trabalho” e a ideia básica desse trabalho é, basicamente, identificar os riscos inerentes de cada atividade. Com diálogo, participação e cuidado, sua análise se torna eficiente, ainda que otimizada.

Quer saber como começar a fazer a sua agora? Então confira os nossos três passos!

Passo 1:
Envolva todos os colaboradores

Para ter uma visão mais macro de possíveis acidentes, nada melhor do que perguntar sobre o assunto para quem, teoricamente, corre riscos, não é mesmo? Seja no DDS, ou em outros tipos de reuniões, perguntar para os colaboradores e envolver a diretoria para a identificação desses riscos é o primeiro passo para qualquer análise. Promova encontros, reuniões pontuais e converse com toda a equipe. O diálogo é o primeiro passo em diversos procedimentos de segurança – e com a análise não é diferente.

capacete de segurança quebrado

Passo 2:
Registre acidentes ou outros pontos de atenção

São esses registros que poderão facilitar a vida do técnico que for designado a fazer essa análise de forma mais efetiva. Isso porque esse histórico apresentará dados que poderão ser convertidos em estudos preventivos e, consequentemente, diminuirá possíveis riscos no futuro. Aqui no Falando de Proteção nós já disponibilizamos alguns materiais que podem servir de apoio para esses registros. Você pode conferir alguns por aqui. 

Passo 3:
Após conferência do registro, elabore medidas preventivas

Prevenção combina com proteção além da fonética e é por isso que apostar em Mapa de Risco é tão importante para o bom desenvolvimento dos funcionários e também da empresa. Para se inspirar em algumas medidas preventivas, você pode navegar por essa seção aqui, do blog, e começar a implementá-las o quanto antes.

E já que o assunto é Análise de Risco, nada melhor do que a palavra de um especialista, por isso, resgatamos um vídeo do nosso canal (você já se inscreveu?) em que Eric Van Wely, um dos principais nomes do segmento de segurança no trabalho do mundo, fala um pouco sobre Avaliação de Risco. Dê o play 😉

Leia também: 5 passos para fazer uma Avaliação de Risco

716
0
Inscreva-se:
Anterior
Próximo