Fique por dentro de todas as novidades. Inscreva-se agora!
x
Preencha os campos abaixo e cadastre-se!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba todos
os materiais do Falando de Proteção em sua caixa de e-mail


home > Dia a Dia > Extração de Petróleo | Prevenção e Riscos

Extração de Petróleo | Prevenção e Riscos

Confira como funcionam as plataformas de petróleo para que a extração ocorra de forma segura e contínua.

As plataformas de petróleo são responsáveis atualmente por sustentar um imenso mercado de produtos químicos a serem usados na indústria, na agricultura, na medicina e na vida doméstica.

Para que isso aconteça, diariamente milhares de trabalhadores convivem com riscos químicos e derivados da transformação das matérias primas em plataformas de petróleo, sejam por vazamentos ou falhas mecânicas, que podem causar incêndios, explosões, problemas toxicológicos, entre outras emergências que podem comprometer vidas humanas e/ou equipamentos.

Segurança nas Plataformas de Petróleo

As grandes plataformas de petróleo possuem uma série de peculiaridades no que se refere à segurança, tais como:

  • Produção e armazenamento de óleo e gás à alta pressão.
  • Perfuração de poços e obras em grandes profundidades.
  • Operação distante da costa e com certo grau de autonomia.
  • Fornecimento de energia elétrica, compressores, bombas, água, alimentação e alojamento das tripulações que não raro ultrapassam 200 funcionários embarcados ao mesmo tempo.
  • Logística de transporte de pessoas e cargas, de e para a costa, em barcos ou helicópteros.
  • Serviço médico de prontidão e toda uma estrutura de botes salva-vidas, entre outros meios de salvamento.

Dias Embarcados x Dias em Terra

Tudo isso demanda um nível de coordenação muito estruturado em plataformas de petróleo, ainda mais levando-se em conta o período de dias embarcados, que varia de acordo choras extraom o país. No Reino Unido, os trabalhadores passam 14 dias embarcados a trabalho e descansam por 14 dias em terra. Há países em que a proporção varia de 7 dias embarcados x 7 dias em terra. Outras plataformas trabalham em três ciclos, sendo o primeiro 14-14, o segundo 14-21 e o terceiro, 14-21. E há a proporção mais comum, de 12-12.

Ainda assim, há recursos de horas extras em plataformas de petróleo que podem fazer a jornada chegar a 18 horas trabalhadas, já que se trata de um trabalho que precisa ter sempre trabalhadores de prontidão.

Principais Riscos

  • Perfuração e produção: contaminação ou intoxicação pelo mortífero gás sulfídrico, por hidrocarbonetos voláteis ou outros gases, podendo causar narcose, asfixia e irritação.
  • Transporte: emissão de gases e vapores durante as transferências através de oleodutos ou navios-tanque às refinarias, além de riscos mecânicos e físicos, como derivados de vazamentos, explosões e incêndios.
  • Refino: exposição a enxofre, monóxido de carbono, nitrogênio, hidrocarbonetos, gases inertes, entre outros. Somente ocorre combustão quando há contato entre comburente (oxigênio), combustível (vapor de hidrocarboneto) e alguma fonte de ignição (faísca ou centelha). Seja petróleo, gasolina, lubrificante, parafina ou graxa, os compostos encontrados nas plataformas de petróleo ou refinarias não se inflamam em estado líquido ou sólido. Mas podem inflamar no estado gasoso, ou no caso de uma mistura de vapor e líquido. O problema é eliminar as fontes de ignição desses ambientes, levando todos os esforços a eliminar o ar e o oxigênio de onde eles estão. Por isso, processos que precisam misturar oxigênio ou ar a combustível devem ser realizados em ambientes com condições rigorosamente controladas.
  • Distribuição: há riscos de doenças de pele e dermatites por contato físico com os desengordurantes dos combustíveis ou lubrificantes.

Estudos indicam que entre as atividades com maior número de óbitos em plataformas de petróleo, predominam as de perfuração. Em seguida, as de produção e depois as de reparo e construção. Entre os acidentes mais frequentes figuram incêndios, explosões e colapsos estruturais.

Metodologia

É fundamental para a segurança de funcionários de plataformas de petróleo abrir válvulas, colocar flanges e controlar o isolamento de forma muito rigorosa para evitar que os hidrocarbonetos à alta pressão vazem. Por isso, é um trabalho que deve ser:

  • Contínuo – a produção flui o ano todo, 24 horas por dia, exigindo que os grupos de trabalhadores se revezem.
  • Complexo – o sistema tecnológico é feito de partes interligadas, no que se deve fazer de tudo para impedir que se desencadeie um efeito dominó.
  • Coletivo – a unidade só consegue funcionar com um esforço de equipes com atividades interdependentes.

Riscos Específicos

Os riscos das plataformas de petróleo por vezes assemelham-se ao das refinarias e unidades de produção de energia. Mas também há fator além-mar e o de sistemas de isolamento, que acarretam riscos mais específicos.

Por sua distância da costa, um agravante é a dificuldade de evacuação e o pouco tempo que se tem para isso. E estando no mar, sempre se está sujeito às intempéries do clima. Condições meteorológicas desfavoráveis podem implicar na segurança dos frequentes transportes.

Outro fator complicador está no fato de algumas plataformas de petróleo trabalharem com funcionários subcontratados que nem sempre trabalham no mesmo local e/ou realizam a mesma atividade, em um trabalho em que a rotina é fundamental para a segurança.

Mais informações

A DuPont atua para proteger a vida de pessoas que trabalham com riscos térmicos e atuam, por exemplo, nas plataformas de petróleo.

Quer saber mais? Entenda como é o trabalho da empresa nesse setor assistindo a esse vídeo.

10.549
0
Inscreva-se:
Anterior
Próximo