Falando de Proteção | Conheça o Programa Braço Amigo e inspire-se no case da Nissan - Falando de Proteção
Fique por dentro de todas as novidades. Inscreva-se agora!
x
Preencha os campos abaixo e cadastre-se!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba todos
os materiais do Falando de Proteção em sua caixa de e-mail


home > Especial > Conheça o Programa Braço Amigo e inspire-se no case da Nissan

Conheça o Programa Braço Amigo e inspire-se no case da Nissan

Vencedora do Prêmio DuPont 2017, na categoria de Corte e Abrasão, a Nissan apresentou um case incrível de proteção para mãos. Conheça o Programa Braço Amigo e inspire-se!

Vencedora do Prêmio DuPont 2017, na categoria de Corte e Abrasão, a Nissan apresentou um case incrível de proteção para mãos. Após pequenas ocorrências em sua fábrica, a Nissan identificou que os mangotes utilizados pelos seus funcionários não eram adequados ao trabalho. Após uma análise, a empresa procurou os técnicos da DuPont, que junto com a Balaska desenvolveram produtos exclusivos com fios DuPont Kevlar®, que aumentaram a segurança e a saúde ocupacional dos trabalhadores. Foi com esse ideal que a montadora lançou o Programa Braço Amigo, focado na proteção dos membros superiores dos seus colaboradores, que já somam quase 250 mil em todo o mundo. Devido ao sucesso e eficiência da iniciativa, a Nissan conquistou, pelo terceiro ano consecutivo, o Prêmio DuPont e, para te inspirar nesse começo de semana, conversamos com a Gerente de Saúde e Segurança do Trabalho da Nissan, Ivana Ribeiro.

A criação do Braço Amigo

“Por se tratar de uma fábrica automobilística, temos a área da chaparia que produz as carrocerias. Essa área oferece risco de corte aos funcionários – principalmente os novos, que não vieram de indústrias e não tinham tanta experiência com esse tipo de produção. Por conta disso, eles precisavam de ainda mais proteção, então, implantamos um programa que batizamos de “Braço Amigo”, que era o uso do mangote e também da luva de Kevlar®”, conta Ivana. “Não existia nenhum programa de proteção coletiva, então, criamos esse, que tem o foco de literalmente minimizar riscos por meio dos equipamentos de proteção individual. Além disso, oferecemos mais treinamentos, mais programas de segurança e, durante o período de implementação, já conseguimos eliminar/reduzir mais de 80% da possibilidade de corte e acidentes”.

Luvas de kevlar

O Prêmio DuPont

“Nós somos tri-campeões no Prêmio DuPont e, cada vez que ganhamos, é como se fosse a primeira. Ganhar o Prêmio DuPont é uma coisa maravilhosa e uma emoção indescritível porque abre muitas oportunidades. O prêmio, por ser uma viagem para a maior feira de segurança do mundo, faz com que a equipe se motive durante todo o ano. Isso sem contar que o Prêmio DuPont incentiva essas melhorias dentro da indústria, de uma maneira geral. Vejo isso com a minha equipe e a gente vê isso nos outros profissionais que estão lá todos os anos. Nós trabalhamos todo o ano buscando novas iniciativas de desenvolvimento de EPI dentro da DuPont para poder participar do prêmio e é isso que estimula a segurança dentro das indústrias. É uma iniciativa realmente enriquecedora”, ressalta Ivana.

A arte de trabalhar com segurança

“Para mim, fazer segurança é uma arte e, acredite, é uma forma de expressar minhas emoções, meu carinho, meu cuidado… Desenvolver EPI faz parte disso. A gente desenvolve equipamentos buscando cuidar do trabalhador e poder contar sobre nosso case para o Falando de Proteção é gratificante porque eu me sinto, de fato, reconhecida. Já são 30 anos de experiência na área e poder falar sobre o Prêmio DuPont, que é uma referência no mercado em termos de segurança do trabalho, é muito gratificante. Eu me sinto realmente orgulhosa em ter investido a minha vida nisso”.

 

Gostou de conhecer um pouco sobre o case vencedor do ano passado?
Então, fique ligado porque amanhã, traremos um novo case para você. Não perca! 😉

247
0
Inscreva-se:
Anterior
Próximo