Falando de Proteção | Motoboys | Corredores de Risco - Falando de Proteção
Fique por dentro de todas as novidades. Inscreva-se agora!
x
Preencha os campos abaixo e cadastre-se!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba todos
os materiais do Falando de Proteção em sua caixa de e-mail


home > Dia a Dia > Motoboys | Corredores de Risco

Motoboys | Corredores de Risco

Motoboys correm riscos diariamente enquanto contribuem para a economia do País. Veja os principais problemas dessa classe trabalhadora e algumas dicas para evitar acidentes.

Todos os dias, mais de 1 milhão de motoboys arriscam suas vidas em diversas capitais brasileiras.  Eles estão presentes nos mais diversos setores, como comércios, bancos, farmácias, pizzarias, restaurantes, vendas pela internet, informática, entre outros. Eles fazem a economia do País girar em suas motos, que transportam com frequência importantes contratos e documentos, além de inúmeros produtos e serviços. Já parou para pensar como esse serviço é importante?

Quanto vale o quilômetro?

Um dos maiores fatores de risco para os motoboys é o fato de a maioria desses profissionais receber por quilômetro rodado, embora isso seja proibido por lei.

Os números mais confudem que explicam. Após as regras de segurança determinadas em 2012, os acidentes envolvendo motociclistas foram reduzidos em cerca de 30%. Por outro lado, entre 2008 e 2013, os gastos com internações de motociclistas aumentou 170,8%, segundo o Ministério da Saúde.

O Custo da Terceirização dos Motoboys

O problema central parece estar na informalidade dos serviços dos motoboys. Apesar de a profissão ser regulamentada desde 2009 e sua terceirização ser considerada ilegal, ainda é abundante a oferta de trabalho informal ou autônomo nessa profissão, mantendo os motoboys desamparados, sem direito aos benefícios do INSS.

Segundo estudos do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), os empregados terceirizados estão entre os mais vulneráveis a sofrerem acidentes de trabalho. Os riscos se apresentam na proporção de 5,5 vezes mais que empregados com vínculo.

Mais Segurança para os Motoboys

Em 2009, o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e a Fundacentro lançaram um material com novas regras de segurança para ajudar na prevenção de acidentes e permitir maior conforto para os motoboys em trânsito. A cartilha reforça as principais leis de trânsito para motociclistas, como o uso do capacete aprovado pelo Inmetro, não andar sobre calçadas ou passeios, respeitar os limites de velocidade e manter uma distância segura dos carros e também dá algumas dicas que podem ajudar na segurança dos motoboys.

Destacamos algumas a seguir:

  • Quando estiver em movimento, mantenha a viseira abaixada.
  • Esteja o mais visível possível. Em relatos de acidentes, é comum o motorista alegar não ter visto o motociclista. Coletes que combinem elementos retrorrefletivos e fluorescentes aumentam a visibilidade e garantem mais segurança, especialmente ao dirigir à noite. Também ajuda manter o farol aceso, mesmo à luz do dia.
  • Boa parte dos acidentes acontece em cruzamentos. Parar e olhar para os dois lados antes de seguir, com ou sem farol, na preferencial ou não, é capaz de evitar mais acidentes que você imagina.
  • A cinta jugular do capacete deve ser afivelada na parte inferior do maxilar e deve sempre estar justa, nunca frouxa.
  • Convém diminuir a velocidade um pouco antes das curvas, mantendo a aceleração durante. Ao final da curva, deve-se acelerar gradativamente para voltar à posição anterior. Brecar na curva é um erro que causa batidas e derrapagens.
  • Ao frear, você estará mais seguro se usar os freios dianteiro e traseiro ao mesmo tempo, principalmente porque o freio traseiro garante mais equilíbrio.
  • Ao estacionar a moto, nunca divida a mesma faixa com outros veículos.
  • O dispositivo de proteção para pernas e motor garante mais a integridade física do motociclista em caso de acidentes.

 Motoboys, fiquem por dentro dos seus direitos

Qualquer empresa, empregador ou tomador de serviço de motoboys é terminantemente proibida de:

  • Estimular o aumento de velocidade a motociclistas profissionais.
  • Oferecer prêmios por cumprimento de metas ou número de entregas.
  • Dispensar o consumidor do pagamento em caso de atraso na entrega.
  • Estimular a competição entre motociclistas com o objetivo de elevar o número de entregas.

Para saber mais, clique aqui e leia na íntegra a cartilha da Fundacentro MOTOBOY – Segurança e Saúde no Trabalho: Prevenção de acidentes no trânsito.

 

0
0
Inscreva-se:
Anterior
Próximo