Fique por dentro de todas as novidades. Inscreva-se agora!
x
Preencha os campos abaixo e cadastre-se!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba todos
os materiais do Falando de Proteção em sua caixa de e-mail


home > Dia a Dia > Quase acidente: do susto a soluções!

Quase acidente: do susto a soluções!

Incidentes são sinais de que acidentes estão por vir. Descubra dicas de como aplicar um programa que encontra correções de segurança em quase acidentes.

O que é um quase acidente?

Segundo a ficha técnica do OSHA e do Conselho Nacional de Segurança, o quase acidente “é uma ocorrência imprevista que não resultou em ferimentos, doença ou dano – mas tinha o potencial para fazê-lo”.

Ou seja, o quase acidente é um incidente que não lesionou ninguém, não passou de um susto. Ufa, que bom! Mas o assunto não pode parar por aí, pelo contrário, é a partir de um quase acidente que muitos acidentes “reais” são evitados. O quase, nesse caso, tem que ser considerado como um alerta! Para isso, o susto levado tem que ser investigado.

Por exemplo, se uma ferramenta pesada despenca de uma prateleira e quase acerta a cabeça de um funcionário; ou alguém tropeça em um azulejo quebrado no banheiro, mas não chega a cair. Essas ocorrências devem ser analisadas e corrigidas a fim de evitar que aconteçam de novo, talvez machucando alguém. Para isso, é importante estabelecer um programa onde trabalhadores e chefes se comuniquem sobre incidentes que acontecem praticamente todos os dias nas empresas.

 

Confira abaixo algumas dicas de como criar um programa de quase acidentes de sucesso:

1. Crie uma plataforma de conversa, onde funcionários sintam-se a vontade para falar e descrever os quase acidentes vividos ou testemunhados por eles.

2. O anonimato nos relatórios facilita; também não há necessidade de descobrir culpados e sim de encontrar os riscos e corrigi-los. Então, não exija nomes, só o relato já é o suficiente para buscar soluções.

3. Explique para os funcionários sobre a relevância dos relatórios dos incidentes e da importância da participação ativa de todos, afinal, são eles que vivem o dia a dia da empresa.

4. Deixe claro que as medidas do programa são ‘não punitivas’.

5. Fale sobre o assunto, faça disso uma rotina, todos se sentirão mais motivados para falar também.

6. Não basta apenas fazer relatórios, é necessário agir com as informações recebidas e resolver o quanto antes problemas de segurança encontrados.

7. Quando novos funcionários chegarem os inclua no programa com treinamento adequado.

8. Mostre os resultados. Ser positivo, reconhecer e comemorar as melhoras alcançadas com o programa, sem dúvida, incentiva a todos a manterem o envolvimento.

Coletar informações de riscos a partir de relatórios de quase acidentes é uma ferramenta e tanto para conseguir tornar o ambiente de trabalho cada vez mais seguro. Comunicação é a palavra chave em programas de segurança. O treinamento adequado torna todos os funcionários possíveis fiscais de segurança, capazes de reconhecer perigos eminentes e saber como e a quem reportar para resolver a questão. Diminuindo consideravelmente o número de lesões e mortes de qualquer empresa.

15.764
0
Inscreva-se:
Anterior
Próximo