Fique por dentro de todas as novidades. Inscreva-se agora!
x
Preencha os campos abaixo e cadastre-se!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba todos
os materiais do Falando de Proteção em sua caixa de e-mail


home > Dia a Dia > Segurança do Trabalho em Escolas

Segurança do Trabalho em Escolas

Veja os principais aspectos que rondam a segurança do trabalho em escolas: de higiene a intervenções sociais.

Segurança do trabalho em escolas é um tema que merece tanta atenção quanto o Projeto Político-Pedagógico (PPP), o nível do aprendizado dos alunos ou a formação continuada de seus professores. Se as questões estruturais de uma escola não garantem a segurança do trabalho, todo o restante pode ser em vão.

Entre as questões que circundam o tema segurança do trabalho em escolas estão a compra e a manutenção de equipamentos adequados a todas as tarefas ali realizadas, evitando riscos e doenças ocupacionais.

Mobiliário inadequado e má postura são grandes vilões contra a segurança do trabalho em escolas, causando problemas como lesão por esforço repetitivo (LER), doença osteoarticular relacionada ao trabalho (DORT), lombalgia ocupacional (hérnia de disco) e dores lombares.

Atitudes aparentemente simples como varrer o chão ou segurar panelas podem ser ameaçadoras à saúde de merendeiras e faxineiras, se a vassoura for curta ou a panela for muito pesada, especialmente se a equipe for reduzida.

Segurança do trabalho em escolas: Limpeza e Higiene

As faxineiras das escolas por vezes sofrem consequência do contato com produtos químicos, que se manifestam como dermatites e irritações nas vias aéreas.

Luvas, máscaras e um trabalho de ginástica laboral são medidas fundamentais para prevenir esses problemas silenciosos que, uma vez instaurados, podem incapacitar os profissionais para o trabalho.

A água também constitui um problema ou uma solução. Todo prédio escolar deve ter instalações sanitárias arejadas, adequadas, limpas e que forneçam água potável. E toda proposta pedagógica deveria contemplar educação sanitária e ambiental para funcionários, estudantes e também a suas famílias.

Embora a legislação brasileira e a Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmem que a saúde é um direito de todos e um dever do Estado, o Ministério da Educação (MEC) aponta uma gritante desigualdade nos serviços de água e saneamento na América Latina, especialmente nas áreas rurais. Mas para uma boa relação de segurança do trabalho em escolas, a instituição de ensino não deve limitar-se à informação, incorporando medidas de segurança e ampliando áreas de capacitação para uma vida mais saudável. Isso vai além de higiene e saúde na teoria, reforçando bons hábitos e atitudes de todos que frequentam o ambiente escolar.

Segurança do Trabalho em Escolas: Alimentação

Como qualquer estabelecimento que vende ou distribui alimentos, as cantinas escolares estão sujeitas a normas sanitárias, que exigem que o estabelecimento possua um responsável técnico pelo uso de práticas adequadas quanto à manipulação de alimentos, higiene, armazenamento e descarte de lixo. A ausência de qualquer uma dessas preocupações pode levar à interdição da cantina, multas, demissão dos funcionários e indenizações às vítimas de intoxicação.

Segurança do Trabalho em Escolas: Vandalismo

Não raro as escolas convivem com pichações e depredações, tanto externas quanto internas, vindas muitas vezes dos próprios estudantes. Estudos apuram como as razões que levam a esses atos de violência as vulnerabilidades sociais, as discriminações e a falta de perspectiva de trabalho e futuro, aliadas à farta oferta de drogas lícitas e ilícitas no entorno da escola. Isso forma um caldo cultural instável que culmina na violência em sala de aula, nos pátios, nas quadras e nos demais ambientes das escolas.

Outras pesquisas também revelam que intervenções externas e autoritárias apenas agravam o problema. E apontam que seria frutífero, nesse sentido, transformar repressão em expressão, por meio de um diálogo aberto entre estudantes e o Conselho Escolar, entrevistas com autoridades da segurança local, além da transformação de expressões negativas como pichações em manifestações artísticas dos próprios alunos, por exemplo, ao transformar o muro da escola em um mural, motivando a criatividade.

Segurança do trabalho em Escolas: Medidas de Prevenção

Atenção ao Número de Funcionários – O PPP precisa contemplar um número de funcionários adequado ao número de projetos da escola. O principal parâmetro para saber o nível de responsabilidade com que se trata a segurança do trabalho nas escolas é a presença ou ausência de sobrecarga física ou psíquica entre os funcionários.

Saber ouvir e compreender – são os próprios funcionários das escolas que apontarão como têm desempenhado suas funções, assim como as mudanças necessárias para contribuir com a segurança do trabalho em escolas. Por isso, as opiniões deles merecem toda a atenção dos gestores, seja em conversas informais ou em reuniões periódicas.

Avaliação do Ambiente – O Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) é obrigatório a todas as empresas que possuem funcionários contratados desde 1994. O PPRA visa analisar os mais diversos ambientes de trabalho para detectar situações de risco que podem ocasionar acidentes de trabalho ou doenças ocupacionais e oferecer medidas de prevenção. Os técnicos detectam:

  • Agentes físicos como temperaturas extremas, radiação ou ruído;
  • Agentes Biológicos, como fungos, bactérias ou parasitas;
  • Agentes químicos, como poeiras, vapores ou gases.

Capacitação em Segurança do Trabalho em Escolas – palestras, oficinas e treinamentos com pessoal especializado, entre outras medidas de orientação devem ser adotadas como orientação e conscientização de segurança do trabalho em escolas.

Segurança do Trabalho em Escolas: Conclusão

A educação é um processo vivo e, exatamente por isso, é importante que a segurança do trabalho em escolas seja matéria de contínua discussão, em especial em reuniões do Conselho Deliberativo, que fomenta o diálogo entre profissionais da educação, educandos, pais e responsáveis. Somente o diálogo poderá sobrepujar os principais problemas. Somente garantindo a segurança da comunidade e trabalhando a cidadania é possível garantir a segurança do trabalho em escolas que a ela pertencem, seja pelo engajamento em movimentos sociais de melhorias, seja participando de políticas mais amplas ligadas à legislação.

17.824
0
Inscreva-se:
Anterior
Próximo