Dicas

Queimaduras elétricas: aprenda a como reagir se o funcionário se machucar

Por maior que seja a nossa preocupação e zelo com a saúde e segurança dos funcionários, infelizmente, acidentes podem acontecer. É por isso que precisamos ficar extremamente atentos e sempre prontos para reagir da melhor maneira possível. E no caso das queimaduras elétricas, não é diferente. Mas antes de tudo, é importante entender quais são os tipos de queimaduras.

Principais tipos de queimaduras elétricas

Queimadura por contato

Quando alguém encosta numa superfície condutora energizada e cria um caminho de condução através do próprio corpo.

Queimadura por arco voltaico

Ela acontece pela falha dos itens de isolamento dos condutores ou curto circuito. É um fluxo de corrente através do ar, da poeira, sujeira ou umidade que fica aos arredores do arco.

Queimadura por vapor metálico

Acontece quando existe emissão de vapores e derramamento de metais derretidos, podendo atingir diversas pessoas ao redor.

O maior mito sobre queimaduras elétricas

Engana-se quem pensa que as queimaduras elétricas afetam apenas a pele. Dependendo do grau e do tipo de queimadura, o funcionário pode ter perda óssea, problemas renais, problemas neurológicos, infecções, lesões na medula espinhal e outras consequências severas a longo prazo. Além disso, elas também podem afetar:

  • Músculos, causando contração violenta;
  • Coração, podendo ocasionar parada cardíaca;
  • Cérebro, causando convulsões, perda da consciência e dificuldade na memória recente, entre outros.

Como saber se a lesão foi grave?

Pela intensidade da corrente

É importante notar a intensidade da corrente, de quantos volts foi o choque. Se o choque for de alta voltagem (corrente superior a 500 V), os riscos de queimadura são maiores. Em um arco de alta voltagem, por exemplo, o funcionário pode se machucar apenas por se aproximar dele.

Pelo percurso da corrente

Além disso, é necessário tentar entender qual foi o percurso que a corrente fez.

A queimadura feita por corrente elétrica tem um ponto de entrada e outro de saída, em outras palavras, uma extremidade do corpo onde o choque vai iniciar e vai acabar. Membros superiores e cabeça são mais perigosos que membros inferiores.

Pelo tempo de exposição

O tempo de exposição da corrente também determina o nível de lesão: quanto maior, pior.

Curiosidade: a intensidade da corrente muda de pele para pele?
Sim, quanto mais espessa for a pele do funcionário, menor a chance de lesão grave. Para zonas de pele fina, lesionada ou úmida, os riscos são maiores.

Como socorrer alguém

Queimaduras Elétricas

A resposta é simples: separando a pessoa da corrente elétrica.

Para isso, a primeira ação é cortar imediatamente a fonte de eletricidade. Isso pode ser feito desligando o dispositivo da tomada de corrente. Mas é extremamente importante não tocar na pessoa até que a corrente tenha sido cortada, pois quem encosta na pessoa sob essas condições, não só não auxilia como também pode levar o choque.

Se você não conseguir desligar a corrente elétrica, tente, em última hipótese, separar a pessoa com um cabo 100% de madeira maciça, sem nunca encostar na pessoa. Em hipótese alguma faça isso se estiver com as mãos ou alguma outra parte do corpo molhada: a água é condutora de energia elétrica e pode ser fatal.

Depois que a pessoa tiver se soltado da corrente, é importante confirmar se ela está respirando e se tem pulso. Se não, acione na hora a emergência médica da sua região e inicie uma reanimação pulmonar imediatamente.

Afinal, como prevenir?

A informação e a manutenção regular em todos os dispositivos elétricos são nossos maiores aliados. Além disso, a escolha acertada dos EPIs faz com que essas consequências possam ser amenizadas ou evitadas. Na hora de escolher, invista em um material de qualidade, proteja a sua empresa e a vida dos seus funcionários.