Destaque

Mapa de risco: como o uso de cores pode salvar vidas!

Variadas são as formas de prevenir colaboradores da construção civil contra possíveis acidentes, mas uma que é infalível é a do mapa de risco

O mapa de risco surgiu na Europa em 1960, e somente chegou ao Brasil dez anos depois.

O mapa nada mais é do que um sinalizador de riscos que podem ser encontrados na planta da obra e mostra em cores diferentes os tipos de acidentes que podem ocorrer se não houver a precaução devida.

O passo a passo para montar um mapa de risco

Afinal, quais são os elementos necessários de ter como base para criar um mapa de risco? Vamos a eles:

  • Traçar um panorama geral da situação de saúde e segurança no trabalho do local em questão;
  • Divulgar informação entre os colaboradores para estimular a participação dos mesmos em atividades de prevenção; 
  • Saber mais sobre os colaboradores: número, idade, sexo, formação profissional etc;
  • Verificar os riscos que o local analisado apresenta;
  • Identificar as medidas preventivas existentes e sua eficácia,;
  • Reconhecer as queixas mais comuns entre os colaboradores;
  • Ter conhecimento dos trabalhos ambientais já realizados nas instalações;
  • O número de trabalhadores expostos ao risco;
  • Especifique os agentes, por exemplo: químicos, ergonômicos, físicos, biológicos ou acidentes.

Colorir ambientes para evitar acidentes

Tomando essas diretrizes como base, existem cores que podem alertar os colaboradores sobre o tipo de acidente que pode ocorrer caso não sejam tomadas as devidas precauções. E também o tamanho das bolinhas coloridas determina o tipo de gravidade.

No mapa de riscos são colocadas sinalizações nos diferentes setores de um layout da obra para identificar o tipo de risco que a pessoa corre no local determinado.

Como no exemplo a seguir:

Mapa de risco

Conhecendo as cores que garantem segurança 

Cada cor tem uma razão de estar ali no mapa e, por isso, te apresentamos o que cada uma delas significa dentro

Vamos a elas:

Verde – riscos físicos como frio, calor, umidade etc;

Vermelho – riscos químicos como poeira tóxica, compostos químicos em geral; 

Marrom – riscos biológicos como bactérias, fungos, vírus e outros perigos similares; 

Amarelo – riscos ergonômicos que envolvem jornadas de trabalho prolongadas, ritmo intenso, levantamento e transporte manual de peso, entre outros; 

Azul – riscos de acidentes devido a equipamentos desprotegidos, possibilidade de incêndios e iluminação precária, entre outros. 

Agora que está mais por dentro sobre o mapa de risco, qual é a cor que sua obra mais apresenta? Conta pra gente nos comentários! 

 

Posts relacionados:

Dicas

Boas Práticas de Segurança

Embora cada empresa tenha o seu próprio manual de boas práticas de segurança, reunimos em dois posts recomendações gerais para preservar a integridade física de empregados, empregadores e a segurança de equipamentos, instalações e do meio ambiente, contribuindo para uma gestão eficaz de saúde e segurança no trabalho. Boas Práticas de Segurança: Direitos e Deveres […]

Leia mais
Destaque

Segurança do Trabalho | Principais Dúvidas

Tornar-se técnico em Segurança do Trabalho envolve muitas variáveis e gera muitas dúvidas, especialmente nos estudantes. Pensando neles, elaboramos um manual de perguntas e respostas para esclarecer alguns pontos. Para trabalhar com segurança do trabalho basta fazer o curso de técnico em segurança do trabalho ou é melhor fazer uma faculdade? Alguns técnicos em segurança […]

Leia mais

Este website utiliza cookies para melhorar a experiência do utilizador e para analisar o desempenho e o tráfego no nosso website. Nós também compartilhamos informações sobre o seu uso do nosso site com nossos parceiros de mídia social, publicidade e análise.

-->